Ciência, Games,
Por: 10 de junho de 2014

Jogar videogame pode alterar fisicamente o cérebro

Crédito da Imagem: Gizorama

Um novo estudo encontrou uma associação positiva entre a quantidade de tempo gasto com jogos e a espessura de certas áreas do cérebro.  Os resultados mostram uma causa para as melhorias cognitivas já identificadas por jogar videogame.

Embora os jogos sejam motivo de discussão entre pais, professores e políticos devido à violência neles contida e associada a alguns comportamentos violentos, eles têm um lado positivo. Ou melhor, mais um lado positivo.

Estudos anteriores apontam que jogar videogame com frequência pode melhorar habilidades visuais, e jogos de estratégia podem melhorar o raciocínio e a memória.

Mesmo sabendo, uma dúvida pairou no ar ao redor de um grupo de pesquisadores: como o cérebro é afetado pelos jogos?

Em busca da resposta, esses pesquisadores usaram ressonância magnética para examinar o cérebro de 152 garotos e garotas de 14 anos.  Os exames foram utilizados para calcular a espessura do córtex.

A equipe encontrou, então, resultados positivos entre as horas jogadas e a espessura cortical de duas áreas do cérebro: o córtex dorsolateral pré-frontal esquerdo e os campos oculares frontais esquerdos.

Esse córtex faz parte da tomada de decisão e planejamento estratégico, e os campos oculares são importantes para o movimento dos olhos e alocação de atenção visuo-espacial.   As duas áreas são muito exercitadas quando se joga videogame.

O time de pesquisa não encontrou nenhuma espécie de afinamento do córtex em relação  aos jogos.

Os cientistas sugeriram que uma continuação da pesquisa poderia incluir os gêneros específicos dos jogos usados, o que não foi observado no estudo em questão.

 

Que tipo de jogo será mais efetivo em melhorar o cérebro? Candy Crush, Call of Duty? Talvez Elder Scrolls? 🙂

 

Fonte: IFLScience e PLOS ONE

Compartilhe:

O Autor

Carla

Carla

Aspirante a programadora, sonhadora de olhos abertos e questionadora sem respostas. Adora jogos, internet e nomes científicos curiosos. Uma junção de bits estranhos.